Chegou a hora de recomeçar

16 julho, 2008

Após 5 anos de consideráveis sucessos na Catalunha, Ronnie (como era chamado pelos torcedores do Barça) foi negociado com o AC Milan. Depois de uma conturbada negociação, ameaças por parte do jogador e até uma Olimpíada como pretexto, Ronaldinho se junta a outros jogadores para tentar reerguer o Milan após o fiasco da temporada passada.

Em 2003 quando assinou pelo Barcelona o clube vivia uma situação pior, sem títulos desde 1999 o time azul-grená ainda foi obrigado a ver os Galáticos em sua melhor forma. E do mesmo modo que agora o camisa 10 foi anunciado como uma das promessas de elevar o clube, ele foi apresentado a torcida catalã .

Sendo peça fundamental na conquista de duas Ligas Espanholas e uma Champions League, aplaudido na casa de seu maior rival e consagrado o melhor do mundo por duas vezes, Ronaldinho mostrou ao mundo todo o encanto do futebol bem jogado e cumpriu o que veio fazer no Barça.

Mas após duas temporadas de constantes lesões, frequente permanência no banco e mostrando sempre menos que seu potêncial, foi gerado um clima ruim para Ronaldinho, e este parece ser um dos principais fatores que o tiraram do Barcelona.

Ronaldinho agora tem a chance de recomeçar e mostrar a todos os críticos que ainda possui o bom futebol já apresentado, e apesar de poder nunca mais atingir aquele que parece ter sido seu auge, ele tem ainda muito o que provar e muito a ser mostrado.

Peace Up Niggas!
Bruno Machado

Anúncios

Welcome, Sir Scolari.

9 julho, 2008

Apresentação bem-humorada, conquistando o carinho dos torcedores, da imprensa. Carta branca para contratações, O clima é perfeito. Luiz Felipe Scolari foi apresentado como novo treinador do Chelsea ontem, em Londres. Finalmente o Brasil terá um nome de peso no comando de uma grande equipe européia. E com perspectiva de sucesso.

Felipão chega agradando.

Felipão chega agradando.

Após belas campanhas como técnico das seleções brasileira e portuguesa, conquistando o mundial de 2002 e uma vaga na final da Eurocopa 2004, Felipão tem seu trabalho reconhecido por uma das maiores ligas do mundo, chegando com respeito entre os participantes da Premier League, a primeira divisão inglesa. É um novo mundo, novos costumes, nova língua. Mas na coletiva, parecia que Felipão não se importava com nada disso. Mostrando habilidade com a língua local conquistou o coração de quem presenciou sua apresentação, mostrando que tem um grande potencial para brilhar e levar os Blues às grandes glórias.

O técnico brasileiro utilizará seu jeitão “gaúcho macho” de trabalhar e logo logo foramará uma nova “Família Scolari”.

Para os brasileiros, é o momento de torcer pro Chelsea, mesmo que escondido, num cantinho, renegando aos poucos as paixões pelo Manchester, pelo Arsenal, pelo Liverpool, e pelos outros times que engrandecem a liga inglesa. Agora o Brasil é azul na terra da rainha.


Se fossem todos assim…

2 julho, 2008

Estamos no período de tranferências dos clubes europeus, e mesmo durante a Eurocopa fervilharam burburinhos sobre tranferências e até ocorreram algumas, mas hoje uma me chamou a atenção.

A saída de Daniel Alves para o Barcelona é uma transferêcia grande, o lateral direito brasuca chega para dominar a titularidade da lateral direita catalã no lugar do italiano Zambrotta, porém não é grandeza da transição que me chamou a atenção e sim como se deu a saída do ex-jogador do Sevilla.

O lateral baiano chegou no Sevilla em 2002 e os quase 6 anos no clube marcaram muito a carreira do jogador. Levando a Copa Uefa duas vezes (06 e 07) e a Copa del Rey (07) o jogador até mesmo segundo o presidente, foi um dos jogadores que marcaram o renascimento dos Rojiblancos, e é considerado um dos jogadores mais importantes da história do clube. E é por isso que ele tem toda moral para dizer que sai pela porta da frente, ao invés de forçar a mudança manchando a própria história no clube, Dani Alves permaneceu a maior parte do tempo quieto e não precisou se queimar no Sevilla.

Peace Up Niggas,
Bruno Machado